Largo das Olarias : Socorro :

050811 : 19h 

“Há formas oláricas que se mantêm quase inalteráveis ao longo de centúrias – a malga, o púcaro, a talha, o alguidar – porque inalteráveis se mantiveram os usos a que se destinam. Para quê inventar o que já está inventado? dirá o povo.

Mas é também verdade que quando a comunidade em que o oleiro se insere deixa de procurar uma determinada forma, porque dela não tem necessidade, então também aquele a deixa de produzir. Em 1573, há registo do fabrico de cuscuzeiros em loiça vidrada. Lembremos que nesta época era frequente o consumo de cuscuz em Portugal. João Brandão, em 1552, dá-nos conta da existência, em Lisboa, de “mulheres, entre brancas e pretas, forras e cativas, que em amanhecendo saem da Ribeira com panelas grandes cheias de arroz, e cuscuz e chícharos, apregoando”. Com o passar dos anos, novos hábitos alimentares afastaram os portugueses do consumo de cuscuz, tendo por isso os oleiros deixado de produzir o recipiente onde estes eram cozidos – o cuscuzeiro.” Isabel Maria Fernandes

e nas mãos, cuscuzeiras

<Receitas do há mesa no Largo das Olarias>

Cuscuz com figos secos, avelãs e mel
: cebola, figos secos, beringela, courgete, água, mel, cuscuz, avelãs, hortelã :

refoga-se uma cebola com figos secos cortados aos pedaços. acrescenta-se a beringela e a courgete cortadas aos cubos e deixa-se cozinhar um pouco. adiciona-se água ao cozinhado (a quantidade suficiente para cobrir o cuscuz previamente colocado numa travessa à parte) e uma colher de sopa de mel. após levantar fervura, verte-se a água sobre o cuscuz, mexendo o cuscuz com um garfo depois de água ser absorvida. por fim, colocam-se os vegetais cozinhados sobre o cuscuz, as avelãs cortadas e uma folha de hortelã. (M.F.)

Cuscuz Salvador
:
1 caneca de cuscuz, 1 caneca de água, azeite, vinagre balsâmico, sal q.b.,  1/2 pacote de rúcola, 5-6 tomates secos, 3 tomates, sultanas douradas, nozes, 1/2 mozzarela de búfala, azeitonas descaroçadas :

numa tigela grande, pôr o couscous e de seguida a mesma quantidade de água a ferver e uma pitada de sal. colocar um prato (ou uma tampa) e tapar a tigela durante 5 minutos. destapar o cuscuz e mexê-lo com um garfo.para ficar mais solto, juntar algum azeite e umas gotas de vinagre balsâmico.

cortar o tomate fresco em cubinhos, e o tomate seco em tiras. juntar o tomate, o tomate seco, as azeitonas e a rúcola na tigela do couscous. quando estiver praticamente frio, juntar a mozzarela (desfiada), as nozes partidas em pedaços e as sultanas. (L.S.)

Sorvete de melância e endro
:
1/4 de melância riscada, endro seco, leite de soja, natas de soja, iogurte de soja, açúcar branco, 1 ovo :

cortar parte da melância em cubinhos com certa de 0.5cm; bater a outra parte da melância com a varinha mágica; ferver o leite de soja com o açúcar até derreter, deixar arrefecer; bater com a batederia a clara de ovo até ficar bem firme, juntar um pouco de açúcar; numa outra tijela grande bater as natas e o iogurte; misturar a melâcia batida à mistura de natas e iogurte, juntar o leite depois de ter arrefecido; adicionar as natas firme e bater tudo com cuidado; por fim adicionar os cubinhos de melância e o endro; misturar bem e pôr num recipiente que vá ao congelador. deixar congelar durante 1 1/2 , tirar e voltar a bater; voltar a congelar e servir como sorvete numa solarenga tarde de verão. (L.A.)

Salada de cuscuz e melância
: 1 caneca de sumo de melância, 1 caneca de cuscuz, 1/8 colher de chá de açafrão, 2 colheres de manteiga, 1/2 colher de chá de sal, 1/2 colher de chá de pimenta moída, 1/2 caneca de melância em cubos, 1/4 caneca de miolo de pinha tostado, 1/4 caneca de hortelã fresca cortada :

fazer ferver o sumo de melância e acrescentar açafrão, manteiga, sal e pimenta. quando misturado, verter liquido sobre o cuscuz, cobrir e deixar durante 20 mins. separar os grãos com um garfo e deixar arrefecer. Uma vez arrefecido o cuscuz, acrescentar o miolo de pinha, a hortelã e os cubos de melância. (E.O.)

Advertisements